Relatório final do diagnóstico participativo Consulta Brasil

O documento apresenta os resultados da consulta participativa realizada ao longo do ano de 2019 sobre o uso das TICs por crianças e adolescentes de todo o Brasil. Faça o download do PDF

A Viração divulgou o relatório final que apresenta os resultados da pesquisa sobre o uso cidadão das TICs por crianças e adolescentes de todo o Brasil, elaborada no âmbito do projeto Consulta Brasil, sistematizada em parceria com a Rede conhecimento Social.

O objetivo desta ação foi elaborar e disseminar materiais multimídia com dados, diretrizes e estratégias a respeito do que possam qualificar a atuação de operadores e proporcionar que meninos e meninas façam uso seguro, consciente e criativo de tais ferramentas, a partir de uma metodologia que favorece a participação das crianças e adolescentes em todos os processos.

O objetivo da pesquisa que deu origem a este relatório foi coletar dados quantitativos e qualitativos, através da metodologia PerguntAção, desenvolvida pela Rede Conhecimento Social, em 10 municípios selecionados –  2 cidades para cada uma das 5 regiões do país.

Para alcançar essa meta, a Viração atuou junto a organizações sociais e escolas dessas cidades e contou com a participação direta de 300 crianças e adolescentes no total:

  • Crianças entre 9 e 11 anos e adolescentes entre 12 e 17 anos de diferentes locais do Brasil.
  • Público direto: 300 crianças e adolescentes (via oficinas)
  • Público indireto: 6.000 crianças e adolescentes (via questionário online)

O método envolve o público pesquisado em todas as etapas do processo: a reflexão a respeito do tema, passando pela concepção do questionário, a mobilização para a coleta de respostas e a análise dos resultados. A proposta da metodologia é fortalecer a articulação de grupos para a investigação de temas de interesse, promovendo ações que transformem seu contexto, por meio de uma produção coletiva de conhecimento. Dessa forma, participantes tornam-se coautores da consulta, contribuindo com seu desenho a partir da percepção e reflexão de suas próprias experiências.

Ainda que os resultados não representem as opiniões da totalidade das crianças e dos adolescentes brasileiros, pelo fato da coleta não ter sido amostral, os participantes desta pesquisa demonstraram ter consciência de que na Internet há situações perigosas, mas isso não os impede de interagir nas redes sociais.

80% das crianças, até 12 anos, declararam acessar a internet no mínimo 1 vez por dia e há uma carência no acompanhamento dos pais em relação ao que elas fazem na internet.

Abaixo, 7 conclusões extraídas da pesquisa:

  1. Há a demanda por internet na escola para complementar o conteúdo e a metodologia dada em sala, mas essa inserção precisa vir com uma nova forma de olhar a própria educação. O professor teria que estar aberto, compreender as dinâmicas do mundo digital.
  2. Para a grande maioria esse ambiente não é seguro e nem ideal para crianças pequenas. Enfatizam a importância do acompanhamento dos pais nesses casos.
  3. Apesar de gostarem de usar a internet, as crianças e os adolescentes também disseram se sentir saturados da conexão o tempo todo, mas reclamam não ter muitas outras alternativas atraentes, mesmo porque, os outros amigos, os parentes e mesmo os professores também estão conectados.
  4. Reivindicam fortemente que os adultos escutem o que eles têm a dizer. A negligência por parte de professores e diretores foi mencionada em diferentes contextos.
  5. As meninas são o principal alvo de assédio sexual na internet e nos contam histórias sobre envolvimento em situações arriscadas. Apesar de falar abertamente sobre o assunto, não são todas que comentam com os pais sobre o que acontece.
  6. Jogos de batalhas reais online (Free Fire, por exemplo) ou de desafios como Momo e Baleia Azul são conhecidos em todas as localidades que passamos. Os dois últimos causam muito medo nas crianças e nos adolescentes e não sabem como lidar com os desafios.
  7. Jogos online de equipe são considerados “redes sociais” pelos adolescentes. Lá fazem amigos, conhecem pessoas de outros lugares do mundo e trocam número de WhatsApp. Essa, aliás, é a porta de entrada para a relação com um número alto de desconhecidos.

Acesse o relatório completo:

Pesquisa Consulta Brasil

 

Sobre a Viração Educomunicação

Organização da sociedade civil que atua com comunicação, educação e mobilização social entre adolescentes, jovens e educadores. Tem por objetivo mobilização para a promoção e a defesa dos direitos de adolescentes e jovens, possibilitando a construção de uma sociedade justa, participativa e plural.

Sobre a Rede Conhecimento Social

É uma organização sem fins lucrativos, fundada em 2016, que dá continuidade às ações do Instituto Paulo Montenegro, cuja missão é promover a construção participativa de conhecimento, estimulando e conectando
pessoas, grupos, organizações e seus saberes para gerar mobilização e transformação social.