Jovens negras levam a pauta antirracista no combate às mudanças climáticas à COP26

Jovens brasileiras já estão em Glasgow para acompanhar a COP26; a ativista Amanda Costa está credenciada pela Viração Educomunicação para fazer a cobertura das atividades pela Agência Jovem de Notícias e canais de coletivos e organizações parceiras.

Amanda Costa, Mahryan Sampaio, Ellen Monielle e Vitória Pinheiro são as jovens mulheres negras brasileiras que estão em Glasgow, na Escócia, para participar da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, a COP26, que acontece de 31 de outubro a 12 de novembro. Unidas pelo mesmo propósito, as jovens apresentarão suas visões sobre como a luta antirracista e contra a opressão aos povos subalternizados do mundo pode ajudar a combater às mudanças climáticas, democratizar o conhecimento sobre clima, meio ambiente e igualdade de direitos.  

O ativismo climático é a bandeira da Amanda Costa, jovem negra da periferia da Zona Norte de São Paulo, que fundou o Instituto Perifa Sustentável, empenhada na luta pela democratização das pautas socioambientais para as juventudes brasileiras, principalmente para jovens pretas(os), periféricas(os) e de comunidades tradicionais. Através de uma chamada em redes sociais, Amanda conseguiu viabilizar sua ida e de mais 3 jovens para participarem da COP26. 

O resultado da atuação de Amanda pelo Perifa Sustentável é a ida da comitiva de jovens mulheres pretas em um dos mais importantes eventos para discutir as mudanças climáticas do planeta. “É incrível esse feito de irmos em uma comitiva para a COP. Vamos juntas contribuir para que as soluções para o combate às mudanças climáticas no mundo passem pelo nosso ponto de vista descolonizado e trazendo questões importantes como o racismo ambiental e a proteção dos direitos dos povos tradicionais”, diz Costa.  

Durante a COP26, Amanda e as demais jovens representantes do Perifa Sustentável ampliarão as parcerias para cooperação Sul-Sul, participarão de debates sobre a importância de traduzir as grandes discussões mundiais sobre o clima para as populações mais vulneráveis. “Além de termos uma das maiores reservas de floresta do mundo e, por isso, uma posição estratégica nos diálogos globais, nós também temos conhecimentos ancestrais trazido pelo povo da diáspora africana e dos nossos povos originários que podem contribuir muito nas soluções para a crise climática”, ressalta a ativista.

Parceiros – O financiamento para a participação das jovens  veio através do Projeto “JuventudesNegrasnaCop26” e tem como apoiadores o Clube de Criação, Côrtes e Companhia, Escritório Daniel, Fundação Tide Setubal e Zentys Medical. Todas as organizações apoiadoras possuem mulheres como dirigentes, líderes, CEO’s e presidentes.

A Viração Educomunicação articulou as credenciais de acesso de Amanda Costa para a cobertura das atividades pela Agência Jovem de Notícias e canais de coletivos e organizações parceiras. Durante o evento, o Coletivo Atlântica, grupo de comunicação da periferia, dará suporte às ativistas para que elas contem tudo o que está rolando de mais interessante na conferência a partir de uma visão jovem, periférica e descolonizada. 

Quem são as jovens ativistas:    

Amanda Costa    

Ativista climática, jovem embaixadora da ONU, delegada do Brasil no G20 Youth Summit e em 2021 entrou para a lista #Under30 da revista Forbes. Formada em Relações Internacionais, Amanda empreende no PerifaSustentavel, atua como vice-curadora da comunidade Global Shapers (WEF), é colunista da Agência Jovem de Notícias e do Um só Planeta. Entusiasta pela Agenda 2030, tem o objetivo de mobilizar jovens para construírem um mundo inclusivo, colaborativo e sustentável. Amanda também é ativista pelo movimento negro, justiça climática e desenvolvimento sustentável, através das redes Engajamundo, Muvuca (Nossas), Embaixadores da Juventude da UNODC, Climate Reality Project, Global Shapers Community e United People Global.   

  Ellen Monielle   

Graduada em Relações internacionais pela Universidade Potiguar, graduanda em Gestão Ambiental pelo Instituto Federal da Paraíba e mestranda em Gestão Pública e Cooperação Internacional pela Universidade Federal da Paraíba. Desde cedo, focou seus estudos em pautas ecológicas, alimentares e amazônicas, sendo seu tema do mestrado relacionado à diplomacia indígena, mudanças climáticas e COPs. Foi diretora geral do projeto Ambientalize e atualmente é voluntária de comunicação do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), é redatora independente do La Proleta e é criadora de conteúdo digital no Instagram @eco.fada.   

  Vitória Pinheiro   

Jovem trans afroindigena, nascida e crescida no Bairro Zumbi dos Palmares, uma periferia da Cidade de Manaus, onde descobriu no ativismo e na organização comunitária formas de construir justiça social, atua na intersecção dos direitos humanos, inovação social e tecnologias e hoje é uma ativista climática no Muvuca, programa de ativismo climático do Nossas e se dedica à construção de iniciativas como a Palmares, uma think and DO tank jovem, foi Ponto Focal para América Latina e Caribe da Habitat III no UN MGCY, sendo uma Land Champion reconhecida pela USAID. Estudou Políticas Públicas e Desenvolvimento Rural na UFRGS e compõe redes de ativismo e liderança como o Global Shapers e Women Deliver.   

  Mahryan Sampaio  

Embaixadora da ONU, ativista e feminista negra, trabalha promovendo os direitos humanos de minorias sociais. Graduanda em Relações Internacionais pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo (FEBASP), atua na área de Direitos Humanos, com foco em Migração e Refúgio, Juventude, Gênero, Raça e Meio Ambiente.   

É membro da diretoria da ONG I Know My Rights (IKMR), ajudando a transformar a realidade de crianças refugiadas no Brasil, através de projetos de educação, arte e cultura. É Coordenadora do Projeto #RefuTeen, financiado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), iniciativa que capacita jovens migrantes e refugiados para atuarem como mobilizadores pelos direitos humanos.  

Integrou a delegação brasileira no 10º ECOSOC Youth Forum – Conselho Econômico e Social das Nações Unidas, trazendo perspectivas sobre como combater a violência estrutural direcionada às mulheres e meninas a partir de parcerias multissetoriais. É uma das Vozes Que Inspiram da multinacional americana Procter & Gamble (P&G) e Vital Voices Global Partnership, evidenciada como uma jovem mulher latino-americana que exerce o papel de líder social, impactando positivamente o mundo.  

Trabalhou na Coordenação de Assuntos Internacionais Multilaterais da Secretaria Municipal de Relações Internacionais (SMRI) de São Paulo, com os temas de migração e refúgio, gênero, educação, meio ambiente, economia circular, tecnologia e inovação, desenvolvimento estratégico urbano e smart cities.  

Reconhecida como uma liderança jovem, foi nomeada Embaixadora da Juventude da ONU pelo United Nations Office of Drugs and Crime (UNODC), passando a atuar como multiplicadora dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 em espaços sociais e políticos.