Viva Melhor Sabendo Jovem é oficial e já começa os trabalhos

 

Pedro Neves, da Redação  | Imagens: Gutierrez Silva 

A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) anunciaram ontem, quinta-feira, 08/10, a parceria que deu origem ao projeto Viva Melhor Sabendo Jovem. A iniciativa tem como público prioritário a população entre 15 e 24 anos.

A parceria foi assinada pelo Secretário Municipal de Saúde, Alexandre Padilha, e pelo coordenador do UNICEF em São Paulo, Silvio Kaloustian, no Centro de Formação Cultural Ruth Cardoso. Também participaram do evento a coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids de São Paulo, Eliana Battaggia Gutierrez, representantes do governo local, coletivos de adolescentes, o rapper Dexter e jovens vivendo e convivendo com o HIV.

“A epidemia da Aids diminuiu em todas as faixas etárias na cidade de São Paulo, a única faixa que aumentou foi justamente a juventude, principalmente a negra (quase o dobro) e mulheres (quase o triplo). Avançamos no tratamento do HIV nos últimos anos e nós, mais experientes, precisamos usar toda a nossa experiência para mostrar os riscos e a gravidade dessa doença. Ainda não existe cura, mas já sabemos que podemos ter uma vida normal com o vírus, mas o tema ainda é um tabu na sociedade, isso precisa mudar”, disse Alexandre Padilha.

A Prefeitura vai disponibilizar uma unidade móvel, onde jovens capacitados pela Secretaria Municipal de Saúde irão oferecer testes rápidos e gratuitos do HIV, além de informações e orientações sobre prevenção e o tratamento das DST/Aids. A unidade vai funcionar de forma itinerante, no centro e em alguns bairros da cidade, com acolhimento e encaminhamento para serviços de saúde.

“Queremos aumentar as testagens, o período de retenção dos tratamentos e reduzir mortes. Um programa inovador que traz uma perspectiva mobilizadora. Temos feito diversos programas de escuta, qualificação e registro de oportunidades entre jovens e adolescentes. A mobilização dos jovens é a nossa principal aposta, junto com a unidade móvel e com o trabalho da Viração, que está dando todo o suporte técnico necessário. Queremos fazer a diferença nessa cidade, que São Paulo seja uma caixa de ressonância para o Brasil. A Viração é nosso braço, tem conhecimento, entrada, respeito e uma maneira muito respeitosa e carinhosa de trabalhar com adolescentes e jovens”, completou Silvio Kaloustian.