Institucional

Resultado de seleção: Projeto Pra Brilhar

A equipe Viração selecionou 37 jovens para a segunda turma do projeto Pra Brilhar. São eles:

Victor Hugo Viana dos Santos

Thales Goés

Paulo dos Santos

William

Geison dos Reis

Luan Richard

Felipe Gustavo

Wesley Medeiros

Reverson Douglas

Gustavo Liberato

Venicio Santos

Fabiano Henrique

Wesley Rafael

Eduardo Henrique

Guilherme Paulo

João Vitor

Matheus

Guilherme Henrique

Cristian Fernandes

Vitor Matsumoto

Pablo Diego

Glaicon Lopes

Gabriel Morais

Carlos da Silva

Jean Carlos da Silva

Felipe Alves Araujo

Victor Azevedo

Jonatha Junior

Lucas Estevam Lima

Bruno Gonçalves

Felipe Piva

Igor Pacheco

Fabio Augusto

Pedro Barbosa

Samuel

Caique Alves

Bruno Nathan

O projeto acontece nas sextas-feiras, das 19h às 22h, a partir do dia 10 de agosto até o dia 26 de outubro. Os jovens participantes receberão vale transporte e um lanche nos dias do encontro. Os selecionados serão contactados pela equipe Viração.

Viração contrata: Estagiário em educomunicação

A Viração é uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos que atua nas áreas de educomunicação, juventudes e mobilização social. O objetivo é, através da educomunicação, mobilizar adolescentes e jovens para a promoção e defesa de seus direitos, possibilitando a construção de uma sociedade justa, participativa e plural.

Objetivos do cargo

Facilitar o processo de produção e distribuição de pautas do programa Agência Jovem de Notícias; apoiar educadores/as durante as oficinas de educomunicação e auxiliar na articulação da rede de jovens e facilitar seu processo de produção, dentro dos princípios da Viração Educomunicação.

A Agência Jovem de Notícias é um programa da Viração que tem como objetivo promover a cidadania ativa de adolescentes e jovens por meio de processos, ações e produtos de comunicação e mobilização social. Com a orientação da equipe de comunicação e educação da Viração, adolescentes e jovens produzem notícias para o portal online da Agência, cobrindo pautas da atualidade a partir de seus olhares e experiências. Além do espaço virtual, a Agência tem também a formação presencial, que articula atividades de formação sobre comunicação e direitos humanos, e reúne adolescentes e jovens de diferentes partes da cidade de São Paulo.

Requisitos:

– Cursando Comunicação Social, Jornalismo ou educomunicação (a partir do 4º semestre); Residente da cidade de São Paulo.

Principais responsabilidades:

  • Auxílio na produção, edição e distribuição de conteúdos jornalísticos para a Agência Jovem de Notícias;
  • Produção de conteúdo para as redes sociais da Agência Jovem de Notícias;
  • Auxílio na mobilização e manutenção de uma rede de jovens colaboradores;
  • Auxílio na mobilização de adolescentes para participação nas oficinas de educomunicação;
  • Apoio aos educadores durante as oficinas de educomunicação;
  • Auxílio na produção, edição e distribuição semestral da Revista Viração;

Conhecimentos específicos:

  • Boa redação;
  • Conhecimento em Redes Sociais;
  • Conhecimento em SEO e Google Adwords é um diferencial;
  • Conhecimento em produção de conteúdo jornalístico;
  • Pacote Office.

Desejável:

  • Inglês Avançado;
  • Afinidade pelas temáticas de direitos humanos, mobilização social, educomunicação e juventudes;
  • Ter experiência SEO e Google Adwords.

Informações da vaga:

  • Carga horária: 30 horas semanais
  • Duração do contrato: 12 meses
  • Regime de contratação: estágio
  • Bolsa-auxílio + Transporte
  • Local de trabalho: Viração Educomunicação – Rua Araújo, 124, 3 andar, República, São Paulo (SP)

Processo de seleção:

As/Os interessadas/os nas vagas devem enviar uma carta de interesse dizendo por que querem trabalhar na Viração e currículo até dia 24 de julho de 2018, mencionando “Estágio Comunicação 2018” no assunto da mensagem, para o e-mail: selecao@viracao.org.

Projeto de prevenção abre inscrições para jovens homens e gays entre 16 e 24 anos

Abram a roda que o Pra Brilhar chegou! Estamos selecionando trinta jovens homens gays, entre 16 e 24 anos, com critério de classe e cor, para participarem de uma jornada brilhante de formação nas temáticas de gênero, sexualidade, direitos humanos e prevenção combinada ao HIV/Aids e outras IST. Além da formação, os jovens selecionados terão oficinas de produção de conteúdos, distribuídas em oito encontros, e realizarão duas intervenções coletivas no Largo do Arouche. 

Se inscreva aqui!

O Pra Brilhar é um projeto de educomunicação que tem como objetivo contribuir para a diminuição da epidemia de HIV/Aids entre a juventude gay da cidade de São Paulo. Com um grupo de vinte jovens, a equipe irá pesquisar as culturas e práticas sexuais que permeiam as experiências da juventude gay paulistana, aperfeiçoando a ação coletiva e as políticas públicas de combate ao HIV/Aids na cidade.

Nós viemos pra contar histórias, pra fazer barulho e trazer brilho. Assim, o projeto aposta na produção de conteúdos e de narrativas sobre nós, sobre o outro e sobre o mundo, como forma de sentir e compreender o que significa ser gay, negro e/ou periférico na cidade de São Paulo.

 

Cronograma de atividades

O projeto acontece nas sextas-feiras, das 19h às 22h, a partir do dia 10 de agosto até o dia 26 de outubro.

Observações

Os jovens participantes receberão vale transporte e um lanche nos dias do encontro.

Como participar

As inscrições podem ser feitas até o dia 20 de julho através deste link. O resultado será divulgado no site da Viração. Na seleção, serão considerados critérios de gênero, raça e diversidade de regiões da cidade.

Critérios

Para participar é preciso ter entre 16 e 24 anos; residir na cidade de São Paulo; ter disponibilidade para participar de todo o percurso do projeto e interesse nos temas e ações descritas acima.

Inscrições abertas para a Escola de Cidadania para Adolescentes

Por Redação 

A Viração Educomunicação abre as inscrições para a primeira turma da Escola de Cidadania para Adolescentes. Serão selecionadas trinta pessoas, entre 14 e 19 anos, residentes da cidade de São Paulo, para participarem de um circuito de formação com duração de até cinco meses, totalmente gratuito.

O projeto, que pretende contribuir para o fortalecimento da participação e a promoção de direitos humanos de adolescentes e jovens, consiste num circuito de formação presencial e a distância, mapeamento afetivo dos territórios onde vivem e realização de ações de intervenção comunitária.

As formações tratarão de temas como condição juvenil, democracia, participação, políticas públicas e direitos humanos, que serão discutidos com educadores, especialistas e ativistas. Durante todo o processo, os participantes também terão a oportunidade de experimentar técnicas de produção midiática (rádio, vídeo, fanzine, jornal mural, etc.) e participar de coberturas educomunicativas em diferentes espaços.

A Escola de Cidadania Ativa para Adolescentes (ECA) é um projeto de cooperação internacional, realizado pela Viração Educomunicação e a associação Viração&Jangada, conta com financiamento da Província Autônoma de Trento, e parceria de implementação do Instituto Universidade Popular – UNIPOP, de Belém (PA) e a Auçuba Comunicação e Educação, de Recife (PE).

Cronograma de atividades:

As atividades do projeto acontecerão nas terças e quintas, entre 24 de julho até 06 de setembro, das 14h às 17h, na sede da Viração, no centro de São Paulo.  

Observações:
 
O projeto fornecerá reembolso de despesa com transporte para os adolescentes e servirá lanche durante as atividades. 

Como participar

As inscrições podem ser feitas até o dia 30 de junho através deste link ou pelo telefone 3115-0142. O resultado será divulgado no site da Viração. Na seleção serão considerados critérios de gênero, raça e diversidade de regiões da cidade.

Critérios

Para participar é preciso ter entre 14 e 19 anos; residir na cidade de São Paulo; ter disponibilidade para participar de todo o percurso do projeto e interesse nos temas e ações descritas acima.

Mais informações

Para mais informações entre em contato pelo telefone (11) 3115-0142 com Daniel Fagundes ou Elisangela Nunes, ou pelos emails elis@viracao.org ou daniel@viracao.org.

Viração lança manual de enfrentamento à LGBTfobia na escola

Por Redação

Relatos de exclusão, isolamento, agressão verbal e violência física na escola são comuns entre alunos e alunas LGBT. No entanto, ainda são poucos os consensos sobre o que pode ser considerado violência e como enfrentá-la na escola.

Assim, a Viração Educomunicação criou o Manual de incentivo à não omissão das violências LGBTfóbicas, que tem como objetivo apoiar educadores/as e jovens na identificação e enfrentamento de violências vivenciadas por adolescentes e jovens em espaços educativos.

Para Paula Bonfatti, Analista de Comunicação e Marketing da Viração e responsável pela organização do material, estabelecer um consenso sobre o que é e o que não é violência é essencial para seu enfrentamento. “Primeiro, é preciso expôr as diferentes formas de violência, que não estão claras nem para os alunos e alunas, nem para a comunidade escolar. A partir daí, é preciso pensar em formas de agir, tanto para remediar quanto para prevenir a recorrência dessas violências”, conta.

Segundo a Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional no Brasil (2016), 60% dos estudantes LGBT se sentiram inseguros na escola no último ano por causa de sua orientação sexual, 73% foram agredidos verbalmente e 27% fisicamente. Sobre as medidas tomadas pela escola, 54% dos estudantes afirmaram que a instituição não agiu.

Além dos tipos de violência vivenciadas por adolescentes e jovens LGBT, o manual lista os agentes perpetradores e inúmeras ações, como campanhas educativas e seminários de formação para educadores/as, como formas eficientes de enfrentá-las. “A mensagem final é: ‘não se omita diante de uma violência, aja. Aqui estão algumas ferramentas que você pode usar para enfrentá-la’”, conclui Paula.

O manual pode ser baixado neste link, de forma gratuita.

Viração promove curso sobre juventudes e redes sociais

Por Redação

Em parceria com a escola DIEESE de Ciências do Trabalho, a Viração Educomunicação realizará o curso de extensão “Juventudes e Redes Sociais: comunicação para mobilização social na internet”, nos dias 23 e 24 de maio.

O curso discutirá as mudanças no processo de comunicação e no comportamento das juventudes, a partir das novas tecnologias e do uso das redes sociais. Apresentará conceitos, práticas e estratégias de comunicação para a mobilização social, com momentos de debate, reflexão e produção de peças multimídia.

O curso será ministrado pelos educadores e educomunicadores da Viração, referência em educomunicação e que há 15 anos atua com comunicação para a promoção dos direitos da juventudes.

Para participar, basta se inscrever no site. O investimento varia entre R$200,00 e R$350,00.

Serviço

Quando: 23 e 24 de maio.

Onde: Escola DIEESE de Ciências do Trabalho – R. Aurora 957 Centro- SP (próx. ao metrô República)

Quanto: Os valores variam entre R$200 e R$350, é necessário consultar.

Inscrições: Para se inscrever, clique aqui.

Projeto aposta no combate interseccional do HIV/Aids

Por Redação

O Pra Brilhar, projeto realizado pela Viração Educomunicação em parceria com o Programa Municipal de DST/Aids de São Paulo, inova na abordagem interseccional do combate ao HIV/Aids na cidade.

Durante seis meses, um grupo de 20 jovens selecionados por critério de classe e cor se encontrará semanalmente para debater sobre gênero, sexualidade e prevenção combinada em intersecção com raça e classe. O objetivo é aperfeiçoar a ação coletiva e as políticas públicas para o combate ao HIV/Aids.

“Apostamos na ideia de que a prevenção perpassa primeiro a educação sexual e o entendimento de que o combate à epidemia precisa ser interseccional, ou seja, ele precisa perpassar o entendimento sobre gênero, sexualidade, raça e classe, porque os mais afetados são LGBTs com esse recorte”, conta o coordenador do Pra Brilhar, Tulio Bucchioni.

Além das oficinas, os participantes são encorajados a produzirem conteúdos em diferentes formatos a partir de um processo educomunicativo. Assim, por meio da educação entre pares e das narrativas de si, do outro e do mundo, Pra Brilhar busca os significados de ser gay, negro e periférico na cidade de São Paulo. Todas as produções e roteiros de oficinas são publicadas no site e página oficial do projeto no Facebook.

Com duração de dois anos, o projeto conta com quatro ciclos presenciais de formação, perpassando por temáticas de gênero e sexualidade, direitos humanos, sexuais e reprodutivos e prevenção combinada ao HIV/Aids e outras ISTs. “As discussões têm sido muito qualitativas, mesclando o compartilhamento de experiências pessoais e o debate sobre conceitos teóricos e militância, que são fundamentais para o entendimento dessas experiências pessoais”, conta Tulio.

O projeto também possibilita um espaço auto-organizado para a população LGBT, além da possibilidade de troca de experiências pessoais e o processo de compreensão das desigualdades estruturais. “O Pra Brilhar está sendo maravilhoso, estou conhecendo coisas novas e as ideias estão se expandindo. As formações vão agregar na minha vida profissional, pessoal e amorosa. No fim, posso transformar todo esse aprendizado em produções e eu acho isso magnífico”, conta Alisson Lourenço, de 19 anos, participante do primeiro ciclo de oficinas.

Os encontros acontecem toda quarta-feira, das 14h às 17h, na sede da Viração, localizada na Rua Araújo, 124, próximo ao metrô República. A seleção de participantes para a segunda turma do projeto se dará no início do segundo semestre de 2018.

 

Viração contrata: Assistente Administrativo(a)

A Viração Educomunicação, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita no CNPJ 11.228.471/0001-78, com sede na Rua Dr. Bittencourt Rodrigues, 88, Conjunto 102, Sé, São Paulo (SP), CEP: 01017-010, torna público às/aos interessadas/os que contratará como prestador/a de serviço um/a profissional para a área administrativa.

 

Perfil do/a profissional – requisitos

– Graduado/a em Administração, Ciências Contábeis e áreas correlatas.

– Experiência em Organizações do Terceiro Setor.

– Conhecimento de ferramentas de gerenciamento financeiro.

– Conhecimento em gestão financeira de projetos: prestação de contas, relatórios financeiros, entre outros.

– Domínio do pacote Office.

– Fluência escrita e verbal em Língua Portuguesa.

Proatividade, autonomia e facilidade de trabalhar em equipe.

 

Desejável:

Certificação em curso/s de gestão financeira e/ou gestão de projetos.

– Conhecimento de sistemas de gestão de convênios públicos, como Siconv e similares.

 

Atribuições / atividades

– Realizar serviços bancários.

– Gerenciar o banco de informações do gerenciador financeiro – conta azul.

– Fazer cotações e compras em geral.

– Realizar serviços de correios.

– Realizar prestação de contas e relatórios financeiros de projetos.

– Oferecer apoio administrativo à área de Projetos e Programas.

– Realizar emissão de notas e recibos.

– Organizar arquivos físicos e digitais.

– Realizar serviços administrativos externos em geral.

 

Informações adicionais

Carga horária: 36 horas semanais.
Regime de contratação: Prestação de serviços (Pessoa Jurídica)
Remuneração: a combinar
Local de trabalho: Sede da Viração, São Paulo – Centro.

 

Processo de seleção

Interessados/as enviar CV com carta de apresentação até o dia 02/04/2018 para o e-mail: selecao@viracao.org

 

Sobre a Viração Educomunicação

Criada em 2005, a Viração é uma Organização da Sociedade Civil sem fins lucrativos que tem como objetivo mobilizar adolescentes, jovens, educadores(as) e educomunicadores(as), por meio da educomunicação, para a promoção e defesa dos direitos de adolescentes e jovens, possibilitando a construção de uma sociedade justa, participativa e plural.  Em 2016 fundou-se a filial internacional da Viração, a Viração&Jangada, com sede em Trento, na Itália.

A Viração incentiva e apoia a contratação de pessoas negras e indígenas.

15 anos de história: Causos e prosas da Viração

15 anos não é pra qualquer um, né? Nesse tempo, a Viração acumulou experiências e muita história pra contar. Por isso, resolvemos relembrar algumas delas, entre curiosidades, memórias e causos.

1) Do Ceará pra São Paulo: Como surgiu a Viração?

A Vira foi fundada pelo jornalista e “sonhalista” Paulo Lima. Nascido na comunidade de Largamar, no Ceará, Paulo sempre esteve envolvido com comunicação independente. Quando jovem, foi seminarista e atuou como jornalista e militante! Em 2002 ganhou o prêmio Jornalista Amigo da Criança, da ANDI- Comunicação e Direitos, e um ano depois fundava a Viração.

A Viração nasceu do desejo de fomentar a produção de comunicação por e para adolescentes e jovens, a partir da convicção de que comunicação é um direito humano e comunicar é um ato político. Assim, Paulo Lima e um grupo de amigos sonhalistas, criaram a Revista Viração, uma publicação com um projeto editorial baseado na colaboração, participação e no respeito às diversidades.

15 anos depois, a Viração se tornou uma organização social que busca ser referência por sua atuação em educomunicação, educação entre pares e mobilização de adolescentes e jovens, com 11 funcionários, dois programas de educomunicação e diferentes projetos nas áreas de direitos humanos, direitos da juventude, gênero e sexualidade e meio ambiente.

2) É a Viração ou o Viração?

O nome “Viração” tem diferentes significados, entre eles o que pode ser encontrado em qualquer dicionário: “Vento fresco, suave, que sopra do mar”. Para além do dicionário, “viração” é um termo muito usado entre meninas e meninos em situação de rua no estado do Ceará, se refere à capacidade de enfrentar os desafios e mudanças de forma positiva; resiliência. Além disso, “viração” também é uma brincadeira de palavras, um trocadilho, vira-ação, para provocar a concretização de nossos sonhos e ideias em ações.

É a combinação desses três significados, tão simbólicos e representativos, que justifica o batismo: A Viração. Muitas pessoas falam O Viração, a gente não sabe muito bem o porquê, mas o certo mesmo é usar o artigo feminino, embora a gente não fique bravo com quem fala.

3) A Viração é uma organização internacional!

Em 2009, Paulo Lima se mudou para a Província de Trento, na Itália. Lá, ele conheceu a Associação Jangada, que atuava nas áreas de juventude, educação e meio ambiente e que estava prestes a fechar as portas! Assim, Paulo sugeriu uma parceria entre a associação e a Viração.

Em 2016, a Viração começou a atuar com uma configuração jurídica própria na Itália, a Viração & Jangada, nascida a partir da fusão com a Associação Jangada, que já atuava na Província de Trento nas áreas de juventude, educação e meio ambiente desde 1999.

Além de desenvolver projetos de cooperação internacional com a Viração no Brasil, a organização atua na Itália com projetos de educomunicação ambiental junto à adolescentes e jovens.

4) Chá de redação é o novo chá de casa nova

Quando a Viração montou sua primeira sede, um cantinho no escritório da Associação de Apoio às Meninas Meninos da Região Sé, a equipe resolveu fazer um chá de redação! A Vira precisava montar o escritório, começando do zero, então os/as amigos/as, jornalistas, educadores/as e educomunicadores/as presentearam a organização com xícaras, móveis e materiais de escritório. Quem lembra?

5) Dinheiro de quem não acredita na democratização da comunicação? Não, obrigada.

Em 2015 a Viração recebeu uma oferta: uma doação da Rede Globo, direcionada via FUMCAD, no valor de R$130 mil – quantia exorbitante para o orçamento da organização na época. Após um processo de consulta com a equipe e, claro, com os adolescentes e jovens que faziam parte da rede da Viração, a decisão foi de recusar a doação.

Em resposta à oferta, a Vira enviou uma carta de justificativa, dizendo que a empresa violava alguns dos princípios básicos da instituição, como a democratização da comunicação e o comprometimento com a verdade.

Não contentes, um ano depois a Globo News convidou a Viração para participar de uma roda de conversa.“Não compactuamos com uma empresa que, num momento crítico como o que vivemos, incita o ódio e manipula informações”, respondeu a organização. O convite se tratava de participação em um debate sobre jornalismo colaborativo.

6) Do impresso pro online: como surgiu a Agência Jovem de Notícias?

A Agência Jovem de Notícias foi criada em 2005, durante o primeiro Fórum Social Mundial. Lá, meninas e meninos fizeram a cobertura educomunicativa do evento, comunicando as agendas e ações a partir de suas experiências.

Desde então, a experiência de cobertura educomunicativa vêm se consolidando como um mecanismo importante para ampliar e fortalecer a participação de adolescentes e jovens nos debates públicos, citada até no Relatório Situação da Adolescência Brasileira 2011 – O direito de Ser Adolescente, do UNICEF.

A partir da atuação da Viração & Jangada, na Itália, a Agência Jovem de Notícias tem um portal internacional e independente, a Youth Press Agency, com conteúdos traduzidos para o italiano, inglês e espanhol, gerenciada por jovens de diferentes partes do mundo. Junto com a Youth Press Agency, a Agência Jovem de Notícias cobre eventos internacionais como a Conferência de Mudanças Climáticas da ONU, o Fórum Social Mundial, entre outros.

7) 15 anos de história, 112 revistas publicadas

Sim, 112 edições e muita gente envolvida nos últimos 15 anos de produção da Revista Viração, que deu origem à organização em 2003. Desde então, a revista teve várias periodicidades, chegando a ser publicada mensalmente. Em 2015, passou a ser semestral, temática e de distribuição gratuita, a fim de potencializar a produção de conteúdo online por meio da Agência Jovem de Notícias.

Confira as edições em formato digital aqui.

15 anos: um olhar para o presente-futuro

Por Paulo Lima, Fundador da Viração Educomunicação

Quinze anos. Quinze, uma mistura de vibrações entre 1 e 5. Os dois juntos chegam a 6. Seis é múltiplo de 3, nosso número mágico. A Vira nasceu no dia 3 do mês 3 de 2003. Os números, as datas, são para nós um pretexto político-pedagógico para seguir adiante, sempre com mais tesão social.

Quinze anos. Um olhar ao presente-futuro: cheio de desejos, sonhos a mil, utopias a guiar o coração junto com novos processos, projetos e iniciativas. Tudo recheado de ideias revolucionárias numa tentativa promissora de fugir do cheiro de naftalina, de prevenir-se da síndrome do piloto automático. Isso e muito mais, representam os 15 anos da Viração.

Muitas mudanças ocorreram ao longo desse tempo, de cara fomos identificados e reconhecidos como iniciativa de inovação social não só no Brasil, mas no mundo todo. Para a Ashoka Empreendedores Sociais e o Ministério da Educação, a Vira é exemplo de como se pode promover a participação ativa e eficaz de adolescentes e jovens por meio do uso criativo da comunicação em todo e qualquer processo de educação.

Pois, sim. A Viração cresceu. Ganhou sobrenome: Educomunicação. Fomos os primeiros no Brasil a levantar a bandeira da figura profissional da Educomunicadora e do Educomunicador. Promovemos mudanças íntimas e pessoais. Colaboradores e voluntários fazendo um percurso de auto-descoberta, chegando a criar e mudar seus projetos de vida. Promovemos mudanças sociais e coletivas, incidindo em políticas públicas, mobilizando adolescentes e jovens e construindo redes como a Renajoc – a Rede nacional de adolescentes e jovens comunicadoras e comunicadores.

Passamos a atuar na África e na Europa e junto às Nações Unidas, expandindo o jeito Viração de ser e se comprometer: Burkina Fasso, Marrocos, Itália, Portugal e França; além de participar ativamente nas Conferências sobre mudanças climáticas da ONU.

Mudamos de sede 5 vezes. A mais recente para poder oferecer mais serviços, estar num ambiente mais colaborativo, juntar forças com outras organizações sociais que buscam fazer brilhar todo tipo de pessoa, porque cada uma e cada um de nós é um ser especial em Direitos. Mudança importante, sobretudo neste cenário político de retrocesso no campo dos direitos e de um projeto popular para o país.

Chegamos até aqui com um sabor de vitória, mas com a missão quase cumprida e muita luta pela frente. Eu digo “quase” porque “queremos mais”. E muito mais. Muito mais iniciativas educomunicadoras, contribuindo para criar ecossistemas comunicativos abertos, democráticos e participativos em tudo quanto que é lugar onde acontece o milagre da educação. Esse processo de “ler o mundo” com senso crítico e de fazer um novo mundo acontecer.

São quinze anos de muita alegria e muita beleza. E aqui colocamos juntos Dostoevskij e Paulo Freire. Juntamos “A beleza salvará o mundo” com “A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca”.

E nós seguiremos nesse processo de busca por mais outros “trocentos” anos, perseguindo nossos ideais e lutando por uma sociedade baseada na justiça social e climática, na garantia dos direitos humanos, na participação efetiva de adolescentes e jovens e na equidade de gênero e diversidade étnico-racial e sexual.

Afinal, ensinar e aprender não pode acontecer fora da procura, fora da boniteza e da alegria, como nos ensina nosso amado Paulo Freire.