Conheça a Escola de Cidadania para Adolescentes

O que é ser adolescente? Entre todas as respostas possíveis para essa pergunta, talvez você já tenha escutado por aí sobre a ideia de considerá-los enquanto sujeitos de direitos. É a partir dessa ideia que surge a Escola de Cidadania para Adolescentes (ECA), iniciativa da Viração que tem por objetivo contribuir para o fortalecimento da participação e a promoção dos direitos humanos entre adolescentes, condições fundamentais para o fortalecimento da democracia.

Com duração de dois anos, o projeto consiste num percurso de mobilização e formação de 90 adolescentes, sendo 30 por turma, nas cidades de Belém, Recife e São Paulo. Composto por formação presencial e à distância, no projeto os participantes são apresentados a temas como a condição juvenil, democracia, participação, políticas públicas, direitos humanos e Educomunicação, que são discutidos com educadores, especialistas e ativistas. Os marcadores de diferença, como classe, raça, gênero e sexualidade são tratados de forma transversal em todos os eixos do projeto.

Os adolescentes participantes também vivenciam a oportunidade de experimentar técnicas de produção midiática (rádio, vídeo, fanzine, jornal mural, etc.) e participar de coberturas educomunicativas em diferentes espaços. Realizam um mapeamento afetivo dos territórios onde vivem para identificar oportunidades e desafios para viver a adolescência, além de elaborarem e implementarem ações de intervenção comunitária como proposta final.

A formação da primeira turma já está acontecendo em São Paulo, os jovens já participaram das discussões presenciais, experienciaram os suportes de comunicação e agora estão desenvolvendo seus projetos de intervenção em diversos espaços pela cidade.

A Viração enxerga essa formação política enquanto uma estratégia importante para que os sujeitos possam exercer plenamente a participação, pois a partir da compreensão do contexto socioeconômico, cultural e histórico no qual estão inseridos, assim como os mecanismos de funcionamento do Estado, os adolescentes e jovens podem exercer seus potenciais de intervir criativa e positivamente na sociedade.

O projeto é realizado em cooperação internacional, conta com financiamento da Província Autônoma de Trento e parceria de implementação do Instituto Universidade Popular – UNIPOP, de Belém (PA) e a Auçuba Comunicação e Educação, de Recife (PE).